Iniciar sessão

Introduza as suas credenciais :
Perdeu a sua palavra-passe?

Não tem uma conta? Registe-se aqui.

Entrevista com DubMestre Conte: Um cidadão do mundo

Dubmaster Conte, é uma figura chave na cena musical que mistura diversas influências, uma fusão de ambiente, eletrónica e ritmos étnicos profundamente enraizados em Dub.

Introdução

Stefano, também conhecido como Dubmaster Conte, é uma figura chave na cena musical, misturando diversas influências, uma fusão de ambiente, eletrónica e ritmos étnicos profundamente enraizados no Dub.

Contactou-me recentemente, aquando do lançamento do seu novo álbum full-dub "Dub Protection", para partilhar o seu trabalho e a sua paixão pelo género. Por isso, pensei que poderia partilhá-los em troca!

Alimentado pelas vibrações punk rock do The Clash e do Mano Negra, mais tarde pelas nuances Trip Hop do Massive Attack - e sempre pelo seu amor por ícones como o King Tubby e o Lee "Scratch" Perry - o percurso de Stefano na música é um tributo às suas diversas influências e à sua mestria autodidata.

Nesta entrevista, aprofundamos o seu processo criativo, a sua evolução como artista e as suas ideias sobre o mundo da música dub, oferecendo um vislumbre da mente de um artista que continua a moldar e a ser moldado pela paisagem sonora dub.

Dub Retrato de rua do mestre Conte

Dub Prevades Tudo...

Prazer em conhecer-te, Stefano! Estou contente por termos conseguido fazer isto. Fale-nos um pouco de si: Quem és tu? De onde é que vem?

O meu nome é Stefano (também conhecido por Dubmaster Conte). Nasci em Milão, Itália. Durante a minha vida, tive a oportunidade de viajar, viver e trabalhar em diferentes países. Devido a estas experiências de vida e à minha atitude, sinto-me um cidadão do mundo.

E o que te levou a começar a produzir música? Quem te inspirou a fazer música?

Comecei a tocar guitarra baixo numa banda de punk rock inspirada no The Clash e no Mano Negra, onde também tive o meu primeiro contacto com o Reggae e o Dub.

Mas decidi produzir música mais tarde, depois de me envolver com a cena Trip-Hop (Massive Attack, Tricky, Smith, e Mighty, etc...) e bandas electrónicas como The Orb. Todos estes actos foram profundamente influenciados pela música dub. Dub impregna tudo.

Tem conhecimentos musicais teóricos?

Não, aprendi a tocar guitarra baixo sozinho, depois estudei escalas e notas de teclado de forma autodidata e a experiência fez o resto.

Fale-nos mais sobre o seu percurso musical: Como descreveria a música que normalmente cria?

Honestamente, inspirador e sonhador. Com ênfase no groove (mas não limitado a ele) e, claro, profundamente influenciado pelo Dub em todas as suas nuances mais subtis.

Alguns contributos e influências diferentes trouxeram-me até aqui:

  • Música ambiente
  • Trip Hop (estilo antigo)
  • Hip Hop (velha escola)
  • Étnico
  • Blues antigos (por vezes)
  • ... e muitos outros estilos diferentes.

Desde que a música continue a ser genuína, honesta e sentimental, adoro.
Gosto de me inspirar em todo o lado, mas o One Love continua a ser o Dub e o Reggae.

Posso dizer que ao ouvir King Tubby e Lee "Scratch" Perry fizeram a diferença. Entraram profundamente na minha alma e no meu coração. É algo que teve um grande impacto no meu processo criativo e na minha carreira.

Era pura magia quando os ouvi pela primeira vez e ainda é agora. A minha cabeça e o meu coração pulsavam ao som daquelas linhas de baixo, grooves e paisagens sonoras: aquele som estava a esmagar a Babilónia.

Por falar em esmagar a Babylon: acabaste de lançar um álbum Dub (Dubmaster Conte - Dub Protection), muito diferente do que produziste anteriormente. Podes falar-nos mais sobre ele?

Tenho diferentes projectos/bandas musicais onde faço diferentes tarefas musicais (ou seja, tocar guitarra baixo, programar batidas ou tocar com sintetizadores e amostras).

Em todos os casos, Coloco sempre influências e técnicas Dub em todos os meus actos (seja tocando linhas de baixo, misturando ou usando efeitos de forma criativa e musical), mas no final, eu realmente queria fazer um álbum Dub sozinho, Dub é a minha grande paixão do coração, meu roots musical. O meu professor.

Não foi fácil porque tive de seguir algumas regras precisas e não ir muito longe com contaminações musicais e inspirações de géneros cruzados.
Foi um desafio muito grande porque ouvi todos os dias os grandes mestres do Dub e do Reggae. Estou muito feliz com o resultado e vou continuar neste caminho com certeza. Dub é uma viagem espiritual, uma coisa séria, uma oração musical à Criação.

Qual é a tua canção favorita desse álbum? Porquê?

As canções são como filhos e filhas para mim, por isso é difícil dizer. Depende sobretudo do momento.

No meu novo álbum, músicas como "Moa’s Claws“, “Inner Fire" e "Dub Fire Pon Babylon" são mais ao estilo Steppa, enquanto "Roots Stimulators" é mais orientado para uma moda antiga de dub. "Guidance Dub" tem recebido muito boas reacções dos ouvintes.
Ver também "Dubbin Pulse" e "Trimming Buds" para um toque de dubby eletrónico e "Dubbing Inna Jungle" para um ambiente tropical.

Em suma, já vos contei quase todo o álbum, mas encontrarão mais surpresas. É só dar uma olhadela!

Só para que conste: se pudesse abrir um espetáculo para qualquer artista, quem seria?

Se ele ainda estivesse vivo: Lee "Scratch" Perry. O Maestro, um Chaman da música.

1TP65Fluxo de produção do mestre Conte

Estou sempre interessado em saber o que os produtores estão a utilizar: pode dizer-me mais sobre a sua forma de trabalhar?

Mudei recentemente para hardware para misturar, compor e gravar instrumentos reais. Utilizo o meu DAW principalmente para masterização. Se tiver de usar os meus plugins de software, toco-os e sequencio-os no meu hardware: uso o PC como um módulo de som. Descobri que usar o hardware é mais prático e ótimo para recuperar rapidamente a inspiração musical.

Relativamente à música Dub:

  • Prefiro utilizar instrumentos (reais e virtuais) e não samples/loops. Mas não existe uma regra rígida sobre este assunto, depende da faixa.
  • Também gosto de experimentar alguns elementosdos meus discos (ou seja, rolos de bateria ou trechos de voz).

Se eu samplear algumas baterias acústicas, gosto de as cortar, para manter o som old school dessa bateria em particular, e reconstruir o groove com sequenciação. Adoro programar batidas de bateria por mim próprio.

Sou um antigo utilizador do hardware da Akai. Antes o MPC e agora também o Force. Utilizo-os para fazer sequências com os meus sintetizadores e módulos de som, fico muito entusiasmado com as suas capacidades MIDI e acho-os perfeitos para fazer edição de sequências.
Para colocar partes de bateria e batidas também são perfeitos, e os seus pads ajudam-me muito a manter uma sensação ao vivo. Esses pads podem dar uma sensação real de bateria e samples tocando.
Akai é também o sampler de escolha para programação de bateria e também para cortar e sequenciar teclas ou vozes (e eu ainda tenho o meu velho s950).

Para sons de instrumentos reais étnicos e exóticos, vem Kontakt de Native Instruments. Para mais sons experimentais e design de som Reaktor é a escolha.

Eu adoro Le SkankO facto de não ser guitarrista ajudou-me imenso e livrou-me do fardo de usar samples de guitarra nas minhas produções (que muitas vezes não são muito editáveis).

Para o baixo, gosto de o tocar sozinho (embora queira experimentar o BassTone X em breve). Não uso muitos efeitos no baixo e por vezes é gravado em D.I. através da mesa. Se precisar de um som mais moldado, uso um hardware Line 6 para o baixo antes de o gravar.

Em vez disso, os sub-baixos são programados por mim num sintetizador de baixo simples (principalmente Novation ou AR). Quanto aos sintetizadores, uau... tantos! De qualquer forma, a minha escolha de hardware vem de Novation mas gosto muito dos Native Instruments (Massive, FM8, Absynth...) e, claro, os que vêm com o Hardware Akai (AIR) que considero excecional e fácil de utilizar.

A minha mesa de mistura de eleição é a Soundcraft, eles têm excelentes ganhos, dinâmicas e EQs nas suas consolas. Também uso pré-amplificadores TLAudio e processadores de dinâmica Aphex na cadeia de sinal.

Interessante, estou a ver que temos coisas em comum! E os efeitos? Na música Dub, os efeitos fazem parte do processo artístico...

Claro que sim! Eu uso reverbs Spring, Filtros, Phasers e Delays (Tape, Analógico e Digital) como sends/returns para dublagem. Filtros e Phasers/Chorus mais efeitos dinâmicos em faixas individuais. E os EQs são muito importantes para moldar corretamente o som.

O hardware Akai vem com óptimos efeitos (MPC e AIR). Além disso, o meu DAW de eleição tem muitos plugins de alta qualidade (ainda uso a versão mais recente do Cakewalk Sonar Platinum totalmente carregado, o último antes de a empresa fechar. Atualmente, pode encontrar legalmente o software gratuito na Internet, mas com menos plug-ins).

O Dub Station é um delay muito bom e barato (assim como muitos outros efeitos de plugin Audio Damage que eu uso). Os plugins PSP Vintage Warmer e Native Instruments Dynamic e EQ também estão entre os meus favoritos e o Alborosie Dub Station é um interessante para verificar.

Para o phaser FX, uso uma réplica do Mu-Tron e o plugin Dub SPL-4 para dar forma aos instrumentos e criar espaço na mistura.

Quanto aos efeitos de hardware, gosto do Roland e do TC Electronics Delays e dos reverbs do Lexicon, mas também de alguns efeitos de pedal de guitarra do Boss que são úteis na criação de cadeias de efeitos malucas.

E quanto à parte técnica: o Dubmaster Conte mistura ele próprio as suas faixas?

Sim, gosto de o fazer.

Eu uso EQ e compressores em canais individuais para moldar a dinâmica do som. Mas prefiro não exagerar (não gosto de demasiada compressão no Dub). Gosto de usar os EQs na minha mesa de mistura porque é um EQ não simétrico e dá ao som uma vida melhor e uma abordagem natural.

Depois uso Send/Returns para dobrar o som (em canais individuais) com diferentes cadeias de efeitos que construo de acordo com a vibração da faixa. Passo tudo no meu hardware através do misturador e gravo a mistura final no meu DAW, dobrando-a ao vivo. Gosto de gravar diferentes takes.

E a fase de masterização?

Utilizo uma cadeia de sinais clássica para a masterização (EQ de masterização, compressor principal e limitador. Se necessário, um Stereo Spread antes da fase de limitação). Medição é necessário para verificar o sinal final (fase, volume final, picos, etc.).

Antes da masterização, gosto de fazer passar a mistura final pela minha mesa de mistura externa para Posso adicionar uma soma analógica à minha faixa final e, por vezes, são adicionados alguns efeitos especiais na última fase da mistura final (mas sempre antes da masterização) para dar mais vida analógica e uma compressão suave à faixa.

Utilizei diferentes softwares ao longo dos anos (por vezes, uma mistura de diferentes módulos de software), para citar alguns: T-Racks, Abbey Road plugins da Waves, e Izotope (o último é utilizado principalmente para projectos de paisagens sonoras/ambientes)

Então, não é a parte com que se sente mais confortável?

Não, sinto-me mais confortável com a composição. Criar música de raiz. Depois, adoro misturar e dobrar na mesma medida em que componho. Utilizo a mesa de mistura como uma ferramenta criativa, um instrumento. E adoro utilizar os efeitos de envio em faixas individuais. Este é o coração da música Dub.

A masterização é mais um processo científico do que criativo. Mas, ao longo dos anos, consegui dominá-lo (espero). Também é possível colocar alguma criatividade no processo de masterização, mas no final, é preciso seguir algumas regras e criar um produto que possa ser ouvido agradavelmente em diferentes sistemas de som.

Com toda a sua experiência, talvez tenha algumas dicas ou conselhos para os nossos leitores...?

Como já foi dito anteriormente:

  • Utilizar a consola de mistura (hardware ou software) como uma ferramenta criativa.
  • Utilize os efeitos (delays, reverbs, phasers, ...) como instrumentos.
  • Brinque com eles, movendo os seus controlos durante a música. Especialmente divertir-se e sonhar enquanto toca, mistura ou dobra.

Ouça o seu coração para se inspirar e ousar. A música é criação. Lembrem-se também que o Dub e o Reggae são música de Jah, por isso mantenham uma atitude espiritual enquanto criam, misturam e dobram a faixa.

O futuro da música

Numa perspetiva mais global: qual é a sua opinião sobre a música moderna e a produção musical?

Mudou muito, as redes sociais tiveram impacto na indústria da música, e nem sempre de uma forma positiva. A produção musical evoluiu tanto e deu oportunidades a tantas pessoas de poderem desenvolver e produzir as suas ideias musicais sem terem de gastar quantidades absurdas de dinheiro. Há imensos plugins gratuitos que soam a loucura!

Isto é muito positivo, apesar de ter produzido tantas e por vezes demasiadas produções musicais.

Se pudesse mudar alguma coisa no sector, o que é que mudaria?

Menos aparência, mais substância (ou essência, não sei qual a melhor palavra para o descrever).

Não posso concordar mais... Muita coisa mudou desde o início da Internet e das redes sociais... Como é que acha que isso afectou o negócio da música?

O impacto foi tremendo, mas foi uma faca de dois gumes. Por um lado, difundiu muito a música, mas, por outro, deu cada vez menos aos músicos que se dedicam a criar música diariamente.

Ter demasiado material também pode causar uma diminuição da atenção no ouvinte médio e agora com o advento dos smartphones, a capacidade de atenção do ouvinte médio diminuiu ainda mais, mas no que diz respeito aos ouvintes do Dub Reggae, é pouco diferente, sendo na sua maioria ouvintes de qualidade e verdadeiros amantes do género. O Dub/Reggae é uma coisa séria, capaz de transcender e de vencer a Babilónia.

O que estarias a fazer neste momento se não fosse a tua carreira musical?

De facto, não sei. A música faz parte da minha vida de uma forma muito profunda. É remédio, é conforto, é puro prazer, é alegria, é uma viagem, é uma oração.
Acima de tudo, é uma comunicação a nível universal. É uma comunicação entre pessoas de diferentes culturas e raças, algo único na experiência humana e artística. Algo realmente especial.

Na minha opinião, a música consegue chegar à alma das pessoas de todo o mundo, e é uma necessidade que a humanidade tem.

E agora? O que é que se segue para si?

O meu próximo álbum Dub. Um só amor. Bênçãos

Bênçãos para ti, Stefano, e obrigado pelo teu tempo. Foi um verdadeiro prazer conhecer-te. Estou contente por termos falado, és um Dubhead muito talentoso.
Força!

Dubmaster Conte Entrevista com Matt do SoundFingers - 10 de março - 2024

7 comentários

  • играть в comboio de dinheiro

    Esta é uma boa dica, especialmente para os novos utilizadores do
    blogosfera. Informação simples mas muito precisa... Muito obrigado por partilhar esta informação.
    Um post de leitura obrigatória!

  • Nathan Purcell

    Vou agarrar imediatamente o seu rss, pois não consigo encontrar
    a hiperligação da sua subscrição de correio eletrónico ou serviço de newsletter.
    Tem alguma? Por favor, digam-me para que eu possa subscrever.
    Obrigado.

    • A

      Olá, Nathan,
      Ainda não tenho um feed rss, mas pode subscrever a newsletter preenchendo o formulário no fundo desta página.
      Saúde!

  • Phil Cleeves

    Óptima entrevista, Matt. Adoro todas as perguntas sobre produção. Por favor, continua a fazê-las.

  • Lester Magbual

    Vou imediatamente pegar no seu feed de rss, pois não consigo encontrar a hiperligação da sua subscrição de e-mail ou serviço de e-newsletter.
    Tem algum? Por favor, deixe-me saber para que eu
    pode subscrever. Obrigado.

  • Adorei a entrevista. Nunca tinha ouvido falar de Conte, mas vou mergulhar diretamente na sua vibração. Óptima entrevista, adorei a parte sobre o muisc ser medicina. Um amor, Brenners.

  • Boa leitura. Nunca tinha ouvido falar dele, mas o seu material é sólido.

Deixe o seu comentário

Matt

Fundei a SoundFIngers em 2018. Dedico o meu tempo a desenhar, programar instrumentos e gerir o meu site, garantindo que cada produto carrega um pedaço da minha loucura, paixão e experiência. Fui mordido pelo vírus Dub há muito tempo, mas adoro todos os tipos de música Blues/Rock, HipHop, Electro e muito mais...

Uma sala de estúdio de música com uma mesa de mistura, guitarras na parede e módulos de áudio de hardware

Junte-se à nossa comunidade!

Subscreva para receber os nossos artigos mais recentes e ideias sobre produção musical. O nosso conteúdo foi concebido para fornecer informações e técnicas valiosas a músicos e produtores de todos os níveis.

  • Guias de produção musical
  • Acesso antecipado a novos conteúdos
  • Plugins exclusivos gratuitos

"Pode anular a subscrição em qualquer altura. Para mais informações, consulte a nossa Política de privacidade."

Não há spam, nunca.

Carrinho

Veja o que tem aí